English
- +

27/02/2018

Carga econômica das doenças cardiovasculares relacionadas ao Diabetes Mellitus tipo 2: uma revisão sistemática

Resenha elaborada pela pesquisadora Prisciane Raupp da Rosa

O Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crônica e multissistêmica que afeta a vida dos pacientes desde seu princípio, agregando morbidade de forma progressiva e interferindo na qualidade de vida. O alto custo para administrar o diabetes tem sido um desafio crescente para os sistemas de saúde públicos e privados, justamente por ter de administrar o tratamento de doenças cardiovasculares (DCV) e complicações renais, responsáveis por elevado percentual dos gastos em saúde, assim como os custos no tratamento do próprio DM e o impacto social dos anos de vida perdidos em decorrência da doença. O artigo selecionado para discussão é uma revisão sistemática inédita sobre o impacto econômico das DCV no tratamento DM tipo II, com foco em descrever os custos associados ao tratamento de pacientes com DMII, levantando o peso econômico do tratamento das DCV entre pacientes com DMII.

De acordo com a International Diabetes Federation (IDF), em 2015 a doença atingiu 415 milhões de pessoas, com custo global de US$ 673 bilhões. Estima-se um aumento da prevalência, até 2040, para 642 milhões de pessoas, consumindo US$ 802 bilhões do orçamento em saúde. Fazendo-se uso de outra revisão, Bommer et al. estimou o custo global do tratamento do diabetes seja de U$ 1,31 trilhão ao ano. A estimativa leva em consideração os custos diretos e as perdas devido a morbidade ou mortalidade prematura. Corrobora também as informações do Nurses Health Study, em que DCV foi responsável por 20,1% de todas as mortes em pessoas livres de diabetes, enquanto 47,2% em pessoas com diabetes. Conforme Hex et al., custos para o tratamento da DCV compreendeu 44,2% do custo das complicações e 35,3% do custo total do DMII, no Reino Unido. Além disso, a American Diabetes Association informou que complicações cardiovasculares, para pessoas com diabetes mellitus tipo 1 (T1DM) e T2DM, foram responsáveis ??por 27% do custo total do tratamento da diabetes nos Estados Unidos.

Na revisão, foram selecionados artigos publicados nas bases de dados Medline e Embase, no período de janeiro de 2007 a março de 2017, em todas as línguas e sob revisão de trabalhos apresentados em congressos da área. Os artigos deveriam avaliar custos diretos, nos níveis macro e microeconômico, e os custos foram ajustados considerando a inflação e índices de preços em vigência no ano de 2016, com conversão para dólares norte-americanos e apresentados considerando o custo por paciente ao ano.

Dos 81 artigos identifcados, 24 foram selecionados para revisão, pois reforçam a contribuição subtancial das DCV no custo do tratmento do DMII. Na perspectiva populacional, os custos com DCV contribuíram entre 20% e 49% dos custos diretos totais do tratamento de DM2. Os custos anuais médios por paciente para DCV (doença arterial coronariana, insuficiência cardíaca e acidente vascular cerebral) foram, respectivamente, 112%, 107%, 59% e 322% maiores em comparação com aqueles para  pacientes com DM2 e sem DCV. Em média, tratamentos de pacientes com DCV e DMII resultaram em um aumento de custos que variou de U$ 3.418 a U$ 9705 por paciente ao ano, comparado com o tratamento de pacientes com DMII isoladamente.

Desse modo, podermos verificar o movimento das agências reguladoras para que os tratamentos antidiabéticos demonstrem segurança e benefícios cardiovasculares, especialmente em eventos de maior mortalidade, como infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral. A revisão confirma que há um número limitado de estudos sobre o custo do tratamento de comorbidades e complicações entre pacientes com DMII. Além disso, existe uma escassez de pesquisa sobre a carga de custo adicional associada com tratamento de pacientes com DMII com obesidade.

Acesse o artigo The Economic Burden of Cardiovascular Disease in Type 2 Diabetes: A Systematic Review

 

Edição: Luiz Sérgio Dibe



Compartilhe: