Português
- +

19/10/2018

Fapergs reverencia ciência gaúcha em noite de gala na Fiergs

"Investir em ciência é parte fundamental para o desenvolvimento de uma sociedade. Encerrar isso em tempos de crise econômica é como comer as sementes dos plantios futuros durante a fome". Com esta declaração, parafraseando o vencedor do Nobel de Física em 2016, Duncan Haldane, o diretor-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (Fapergs), Odir Antônio Dellagostin, demonstrou seu posicionamento com relação ao desenvolvimento científico e tecnológico. A declaração fez parte do discurso de Dellagostin durante a cerimônia para reconhecimento às iniciativas em pesquisa financiadas pela entidade gaúcha, ocorrida na noite de quinta-feira, 18/10, em Porto Alegre/RS.

Na ocasião, a Fapergs realizou a entrega do Prêmio Pesquisador Gaúcho 2018 e destacou as atividades desenvolvidas pelos nove Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs) sediados no Rio Grande do Sul: INCT em Ciência e Tecnologia de Genética Médica Populacional, INCT Hormônios e Saúde da Mulher e INCT Pesquisa em Resistência a Antimicrobianos, INCT em Ciências Forenses, INCT em Tecnologia da Criosfera, o INCT em Geração Distribuída de Energia Elétrica, INCT em Tuberculose e INCT para Doenças Cerebrais, Excitoxidade e Neuroproteção, além do INCT para Avaliação de Tecnologias em Saúde (IATS).

Para a coordenadora-geral do IATS, Professora Doutora Carisi Anne Polanczyk (foto), o reconhecimento ao trabalho dos pesquisadores tem um caráter de retribuição e valorização a quem se dedica à geração do conhecimento para a sociedade. "Ouvimos discursos significativos sobre a necessidade de união entre a comunidade científica para que sejam mantidos os investimentos em pesquisa, tanto aqui no Estado, quanto no Brasil. Esta é uma importante demonstração de reconhecimento à relevância do papel do pesquisador em nossa sociedade", apontou Carisi.

Além da Professora, considerada uma das pioneiras no desenvolvimento de estudos em Avaliação de Tecnologias em Saúde para o Brasil, também representaram o IATS o coordenador-adjunto Antônio Luiz Pinho Ribeiro (na foto, ao lado de Carisi), e os pesquisadores Bruce Duncan, Maria Inês Schmidt, Andreia Biolo, Luis Eduardo Rohde e Daniel Umpierre.

 

Citação

A declaração do diretor-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (FAPERGS), Odir Antônio Dellagostin, foi inspirada em trecho de entrevista concedida a um jornal brasileiro pelo físico britânico Duncan Haldane, cientista agraciado com o Prêmio Nobel em 2016. Conheça a fala original:

— O Brasil é uma grande economia e para desenvolver sua própria tecnologia precisa apoiar a ciência em nível internacional. Olhem o que aconteceu na China. No passado, os principais jovens cientistas chineses iam estudar na Europa ou nos EUA e ficavam por lá. Agora, a China está colocando dinheiro e atraindo muitos deles para casa. O Brasil ainda não alcançou esse estado, mas os progressos nessa direção serão cortados. Eles vão desmoralizar jovens cientistas e muitos deles irão procurar posições fora do país. Será uma grande perda para o Brasil. — comparou Haldane. — Ter ciência básica de nível mundial nas universidades e criar centros de excelência é parte fundamental da construção de um grupo mais amplo de graduados tecnicamente alfabetizados, que serão fundamentais para uma economia moderna. Encerrar isso em tempos de crise econômica é como comer as sementes dos plantios futuros durante a fome.

 
Texto e edição: Luiz Sérgio Dibe