English
- +

07/08/2013

1ª edição do Curso de Especialização em Avaliação de Tecnologias em Saúde, realizado pelo IATS no Formato EaD, finaliza em agosto

Rodrigo Saar da Costa, Farmacêutico Tecnologista do Núcleo de Avaliação de Tecnologias em Saúde do Instituto Nacional de Câncer, é graduando e conta como foi participar do primeiro curso de Especialização em Avaliação de Tecnologia em Saúde (ATS) realizado em formato de ensino à distância (EaD) pelo IATS. O curso finaliza no mês de agosto.

 

1. Qual a importância do curso em Avaliação de Tecnologia em Saúde (ATS) para os profissionais do sistema público de saúde?

 

A ATS ao longo destes últimos anos vem assumindo um papel importante na tomada de decisão, e no estabelecimento de normas e de diretrizes para o processo de avaliação de novas tecnologias para as políticas públicas de saúde. No Brasil são utilizadas para priorizar o uso dos recursos da saúde, em diferentes níveis de ação e com distintas ferramentas metodológicas. Estas atividades são ainda limitadas e com poucas instituições exercendo estas funções específicas explicitamente dedicadas à ATS. Além disso, o baixo conhecimento técnico e conceitual, dificuldades de acesso aos estudos, falta de credibilidade em fontes de dados e em sua validade externa, somado a fragmentação institucional no setor da saúde, são barreiras para sua disseminação.

É fundamental a criação de cursos no sentido de promover a capacitação de profissionais que possam aplicar e disseminar a ATS no contexto da atenção à saúde da população. Tal iniciativa irá garantir uma importante conscientização em estimular o desenvolvimento de ATS com objetivos e escopo de forma explícita e relevante para o cenário brasileiro, devidamente estruturado através do estabelecimento de prioridades na saúde e atender os desafios inerentes à estrutura complexa que o nosso sistema de saúde possui. A capacitação de pesquisadores e gestores em saúde para trabalhar com o uso de ATS é importante na perspectiva de conduzir os processos e estudos com rigor científico, avaliação crítica e transparência, mas também auxiliar no processo de tomada de decisões e no uso eficiente de recursos. Dessa forma será possível desenvolver um adequado monitoramento das tecnologias incorporadas, auxiliando na redução das desigualdades e no aumento da qualidade da saúde. 

 

2. Quais foram os principais destaques da especialização, e como irá utilizar os conhecimentos no seu trabalho? 

 

O curso em formato de Ensino à Distância (EaD), foi capaz não somente de ampliar nossa abrangência de atuação e qualificação profissional, mas possibilitou uma singular interação entre profissionais de todo o Brasil das mais diversas áreas e formação. Destaco que o EAD apesar de ser uma tecnologia nova de ensino em nosso contexto, não foi identificado como uma barreira para integração entre estudantes e professores. Além disso, o curso disponibilizou professores extremamente capacitados e experientes, o que propiciou um ambiente produtivo e rico de troca de informações. O curso foi capaz de apresentar um conteúdo adequado, abrangente e ao mesmo tempo específico ao contexto da ATS, com atividades integrativas e direcionadas à realidade brasileira. 

 

Atualmente, além de lecionar nesta área em cursos de pós-graduação, estou em fase final de conclusão de meu doutorado em políticas e economia da saúde no IESC/UFRJ, e certamente o curso do IATS foi fundamental no aprimoramento dos estudos que venho desenvolvendo. Somado a isso, este curso favoreceu minha atuação no NATS/INCA, ampliando minhas perspectivas de estabelecer grupos e parcerias com outras instituições para a execução de projetos e avaliações de tecnologias, no sentido de fortalecer as políticas em saúde em oncologia relacionadas à incorporação e seu monitoramento. 

3. Por que indicaria o curso?


Este curso está inserido em um importante contexto da área da saúde e em relevante expansão científica e política. Sua estrutura integra renomadas universidades, possibilitando uma perspectiva ampla do desenvolvimento da ATS no Brasil. O curso estimula o estudante no desenvolvimento da produção científica e avaliações críticas de tecnologias em saúde no Brasil, além da disseminação do conhecimento, de modo a atender interesses do sistema de saúde e da sociedade como um todo.

Entendo que a proposta do curso visa constituir grupos de profissionais qualificados a participar no desenvolvimento da rede de apoio às ações de gestão de tecnologias em saúde do Ministério da Saúde e Secretarias Estaduais e Municipais, através de produtos técnicos e científicos, prestação de serviço em avaliação de tecnologia, e no fortalecimento das políticas em saúde. 

 

 

 

Jornalista responsável: Bruna Repetto