English
- +

05/07/2013

"O calendário da rede pública do Brasil é um dos mais completos oferecidos gratuitamente á população, e estão previstas inclusões de novas vacinas.

Juarez Cunha, pediatra e médico do Núcleo de Pesquisa em Vacinas do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) e da Secretaria Municipal de Saúde, destaca a importância da vacinação e o consequente impacto positivo no sistema de saúde.

Recentemente aconteceram as campanhas de vacinação da gripe (H1N1) e paralisia infantil, qual a importância destas ações para o sistema de saúde?

Juarez Cunha - As duas campanhas são muito importantes para a saúde das crianças. A da gripe (H1N1) vacinou crianças de seis meses a cinco anos, pois nessa faixa de idade, quando adoecem por gripe, podem apresentar quadros mais graves e até fatais. A campanha da paralisia tem o objetivo de manter nosso país sem essa doença que ainda acontece em países da África e Ásia. Em 2013 houve uma ótima adesão da população às campanhas, e havendo menor índice destas doenças, consequentemente haverá menor morbimortalidade e necessidade de utilização dos serviços de saúde.


No Calendário Nacional de Vacinação constam quatro vacinas para adultos, há indicação de outras que deveriam fazer parte?


JC - O calendário da rede pública do Brasil é um dos mais completos oferecidos gratuitamente para uma população. Estão previstas inclusões de novas vacinas a curto prazo, como: varicela para crianças em setembro de 2013; vacina contra  coqueluche, tétano e difteria para gestantes também  ainda em 2013; vacina para hepatite A para crianças em 2014 e vacina para o Papilomavirus Humano (HPV) para adolescentes (meninas) em 2014. Existem outras vacinas e mesmo idades que o calendário do Ministério da Saúde não contempla. Essas podem ser obtidas na rede particular. 


No caso de crianças e adolescentes, o índice de vacinação tem auxiliado no combate a doenças, o que ainda necessita maior controle por parte dos profissionais de saúde?


JC - A adolescência é uma idade difícil de se conseguir coberturas vacinais. Para melhorar esse panorama é necessário, além da conscientização dos pais, a capacitação de profissionais da saúde e da educação. Estes profissionais devem conhecer o assunto e transmitir para os adolescentes e pais o recado da importância das vacinas. É fundamental envolver os gestores e utilizar espaços frequentados pelos adolescentes, como as escolas, para falar sobre prevenção de doenças que podem ser evitadas, não só por vacinas. Por exemplo, o HPV é o principal causador de câncer de colo de útero. A Hepatite B, considerada doença de transmissão sexual, pode levar a doença crônica de fígado e também câncer. A Rubéola, se houver contaminação durante gestação, pode levar a síndrome da rubéola congênita com consequências muito danosas para o feto.







Jornalista responsável: Bruna Repetto