English
- +

13/05/2013

Estudo realizado em comunidade da cidade do Rio de Janeiro revela grande potencial para o e-health nas áreas urbanas menos atendidas

A Organização Mundial de Saúde define e-health como “transferência de recursos e cuidados à saúde através de equipamentos eletrônicos”. A capacidade da tecnologia e-health de monitorar pacientes remotamente foi anteriormente testada em ambientes rurais. O projeto da The New Cities Foundation é a primeira grande investigação sobre o impacto dessa tecnologia em áreas urbanas carentes.

As conclusões marcam o fim de um projeto de 18 meses realizado na comunidade de Santa Marta, no Rio de Janeiro. Liderado pela New Cities Foundation (NCF), organização internacional sem fins lucrativos. O projeto  piloto é parte de uma força tarefa organizada em parceria com o município do Rio de Janeiro e com a GE, membro fundador da NCF. O piloto teve também o apoio da Cisco, outro membro fundador da instituição. O Departamento de Medicina Clínica da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) coletou os dados e conduziu as análises do estudo. Os pesquisadores Denizar Vianna e Michelle Quarti, ambos da UERJ e IATS, gerenciaram o estudo.

O estudo mostrou que a tecnologia de e-health melhora o monitoramento do paciente e leva à detecção precoce de enfermidades, incluindo: tipos de disfunções renais, prevenção de derrames e problemas cardiovasculares. O que resulta em redução de custos do município com saúde.

- A ação possibilitou monitorar os doentes crônicos com maior frequencia e identificar mais precocemente aqueles de alto risco para complicações. Este monitoramento permitiu antecipar intervenções e desfechos clínicos desfavoráveis – Destaca Denizar Vianna.


Confira mais sobre o projeto na página The News Cities Foundation